sexta-feira, 6 de julho de 2012

MADEIRAS DO HOTEL ROLÂNDIA


Recebi um comunicado do vereador Fábio Nogaroto afirmando que o secretário João Campaner respondeu um pedido de informações dele endereçado ao prefeito onde indagou sobre onde estão guardadas as madeiras do Hotel Rolândia. O referido secretário informou que as mesmas estão no pátio do prefeitura. Em uma resposta muito curta não foi mencionado se as mesmas estão em local coberto e recebendo cuidados contra umidade, cupim e "empenamento".  Para quem não sabe este que vos escreve descobriu que o Hotel Rolândia havia sido vendido e que as madeiras iram virar caixaria de construção civil. Foi quando ajuizei uma ação popular contra o prefeito. Após a ação a prefeitura cassou o alvará de demolição e acabou adquirindo as madeiras para reconstruir o Hotel ao lado da Estação de Trens. Só que passado um ano nada foi feito e não se sabe o estado de conservação das madeiras e se as mesmas estão seguras contra roubo, umidade e incêndio. A ação popular ainda não foi julgada. TEXTO e FOTO dE JOSÉ CARLOS FARINA

sábado, 5 de maio de 2012

AMADEU PUCINE E O CHURRASCO DO PRB


AMADEU PUCCINE

Há muito tempo entrevistei o saudoso Amadeu Puccine em meu escritório. Entre outras historias ele contou uma sobre um capitão de polícia que obrigava todo mundo a se filiar e trabalhar para o PRB. Ele era filiado ao PTB e não aceitava imposição de ninguém. Uma vez o pessoal do PRB fez um churrasco lá pelos lados de Sao Rafael e o convidou. Ele aceitou. O levaram de camionete. Estavam ele e outros convidados em cima da carroceria. Chegando ao local Amadeu viu o tal capitão agredindo pessoal (torturando) para que assinassem a ficha daquele partido. Ai, o nosso político botinudo (como era conhecido) fugiu e veio a pé embora, sem provar do churrasco do PRB. Tinha (e tenho) admiração por Amadeu Puccine. Grande alma. Grande cidadão. Grande político. Político honesto. Serviu e serve de exemplo até hoje. JOSÉ CARLOS FARINA

sexta-feira, 4 de maio de 2012

ROLANDIA ANTIGA - VENDAS DE SECOS E MOLHADOS




SECOS  e  MOLHADOS

Da época da fundação de Rolândia até o final dos  anos 70 não havia supermercados, mas apenas vendas ou empórios. As vendas ou empórios (secos e molhados) eram pequenos  supermercados que vendiam arroz, feijão, batata,  tomates, cebola, alho, sardinha salgada, etc. por quilo. Tinha armários  cheios destes alimentos. O dono da venda pegava uma espécie de conha de lata e enchia sacos de papel de acordo com a quantidade. O óleo era as vezes vendido por litro ( o cliente trazia o litro de casa).  A pessoa levava um litro que era enchido na hora. Tinha também o óleo envazado em latas quadradas de um litro. Mercadorias do tipo iogurte, sorvete, patê, presunto, mussarela, frutas frescas era difícil de encontrar. Por ex. maçã, vc se encontrava em quitandas especializadas, pois as mesmas eram importadas da argentina e custavam uma fortuna. A maioria das famílias só compravam maçã pra dar pra pessoa doente. Verduras e legumes eram comprados nas feiras livres, mas a maioria das famílias cultivavam  hortas caseiras. Minha mãe sempre teve a sua (até hoje né dona Sebastiana?) Sempre tivemos fartura de verduras. Muitas vezes eu e meus irmãos saíamos vendendo  na vizinhança levando-as em cestos. Com o  dinheiro das vendas comprávamos sorvetes ou outras guloseimas.  Estas vendas ou empórios vendiam também sardinha ou manjubinhas salgadas, bombinhas de são João, paçoquinha, bolinhas de vidro, querosene em latas de 5 litros. Bolachas ou biscoitos só tinha de um tipo (biscoito Maria).  Macarrão era difícil encontrar mais que uma marca. Algumas vendas ficaram famosas porque vendiam também picolés de grozelha. A molecada fazia a festa. A maioria dos clientes levavam cadernetas e marcavam as compras "fiado", ou seja para pagar no final do mês. As vendas que eu me lembro era a do Português, o verdão que depois virou mini-mercado, a Primavera. Minha mãe mandava eu comprar numa venda que ficava na esquina da prefeitura, onde hoje é o escritório do meu irmão Paulo.  Coca-cola e guaraná a maioria das famílias só consumiam em dias especiais como Natal, Ano Novo e Páscoa. Em ocasiões de festas o refrigerante servido era sempre o guaraná da Antártica. Algumas vezes tomávamos também Crush e Grapete.  Havia muita fartura de produtos colhidos aqui na região, ex. laranja, verdura, legumes, arroz, feijão.  Hoje, graças a Deus quase todas as  famílias podem consumir toda semana coca-cola, guaraná, sorvetes, frutas diversas, queijos, carne, etc. O único problema sério hoje (e põe sério) é o aumento dos assaltos e assassinatos. JOSÉ CARLOS FARINA

segunda-feira, 30 de abril de 2012

ROLÂNDIA - PRIMO LEPRI E CURITIBA

PRIMO LEPRE

Relato de um amigo de primo (W.M.) ocorrida nos primeiros anos da década de 60. Por algumas vezes Primo o convidou para acompanhá-lo em viagens à Curitiba para contatos com o governador. Era viagens duras. Primo Lepri ia dirigindo pessoalmente o veículo oficial da prefeitura (uma Rural Willys). A estrada daqui lá era de terra. A Viagem demorava uma noite inteira. Para que Primo Lepre não dormisse no volante "W.M."  ia conversando, "puxando assunto". Chegava a uma certa altura Primo, que era um excelente cantor, começava uma cantoria. Em algumas músicas que "w.m." conhecia o acompanhava.  Foram bons tempos. Os políticos tinham mais amor e dedicação pelo município.   JOSÉ CARLOS FARINA

sexta-feira, 20 de abril de 2012

O HOMEM MAIS CORAJOSO DE ROLÂNDIA


SEBASTIÃO ULIAN
De saudosa mémoria era um homem muito honesto, trabalhador e bom chefe de família. Tive o prazer de ser seu amigo e captar dele algumas "estórias". Antes que alguém fale que as "estórias" são mentirosas digo de antemão que todas foram confirmadas por familiares e pessoas que conviveram com ele. 
Sebastião foi pioneiro em Rolândia-Pr. tendo chegado na década de 30. Em um determinado dia um dos seus vizinhos de lote (próximo da 1ª ponte do Caramurú) estava andando próximo ao rio e ouviu um barulho de alguém cortando lenha... Pan... pan.. pan... Procurou... procurou... e nada... até que olhou para cima. Lá estava o seu Sebastião em pé em cima de um dos galhos de uma enorme peroba usando o machado. O  vizinho com medo que ele caísse ficou quietinho olhando escondido, quase sem respirar. E assim viu que o seu Sebastião estava tirando um ninho de papagaio para pegar os filhotes. O medo era porque o seu Sebastião estava em pé do lado em que o galho iria cair. Mas deu tudo certo e ele pegou os filhotes de papagaio e desceu sem nenhum problema.
Em 1968 o prefeito Primo Lepri ordenou uma reforma total na praça Castelo Branco mandando destruir um lindo coreto que tínhamos lá em forma de tartaruga e no lugar foi instalado dois super postes  com lâmpadas enormes vindas da Alemanha. Estas duas lâmpadas sozinhas iluminavam toda a praça e até um raio de mais ou menos 500 metros do entorno. Para a instalação deste equipamento foi erguido enormes andaimes de  madeira com cerca de 30 metros de altura. Em um determinado dia os operários se descuidaram e adivinhem quem subiu até o fim do andaime e ficou em pé na última viga e acenou com o chapéu para cumprimentar o grande público presente? O engenheiro alemão quando viu o seu Sebastião em pé lá em cima ficou louco de raiva e já pensou que era um doido querendo se suicidar. Mas foi tudo bem e quando ele desceu foi cumprimentado como herói pelo público. A mesma façanha o seu Sebastião repetiu quando estavam instalando o telhado da igreja matriz. Ele me contou que lá também ficou em pé na última viga, e andando para lá e para cá cumprimentou o público abanando o chapéu.
O mesmo vizinho que me contou a estória dos papagaios  contou que no sítio do seu Sebastião tinha um touro que vivia dando "carrerão" nas pessoas. Um dia este touro correu atrás do seu Sebastião.... pra que?... se fosse outro teria corrido, mas o seu sebastião resolveu pegá-lo "a unha". Seu Sebastião agarrou-o pelos chifres e foi arrastado por muitos metros. Lutou... lutou.. até que o derrubou por um barranco ao lado do rio. E assim forma parar lá no riacho o seu Sebastião e o touro bravo. Diz a lenda que daquele dia em diante o touro só "bufava" e cavucava a terra com as patas quando ele passava, mas nunca mais deu "carreirão".  O touro marcou bem a fisionomia do seu Sebastião. Depois ficaram bons amigos.
Um dia o Sr. Nahin Adas, de saudosa memória, sem querer deixou cair os documentos em uma fossa em uso e contratou o seu Sebastião para o resgate. Chegando lá ele já foi descendo para o fundo da fossa sem usar cordas ou escadas. Ele era tão forte que conseguia descer pelo barranco usando as mãos e pernas. Desceu e subiu em poucos minutos trazendo de lá os documentos. Um pouco sujos mas trouxe. O Sr. Nahin quase desmaiou com medo que ele se afogasse. Ele não tinha nojo de nada. Uma pessoa o contratou para desentupir um esgoto. Chegando ao local foi logo enfiando a mão no tubo e tirando de lá sujeira de banheiro. O dono do serviço correu e lhe deu uma luva. Ele recusou e disse: - "eu não tenho nojo de nada... isso aqui (olhando para o cocô) é a nossa natureza... um dia todos vamos virar comida pra verme."
O Sr. Sebastião criava abelhas. Um dos seus vizinhos ( aqui próximo a saída para a represa do Ingá) reclamou contra ele na prefeitura e assim o fiscal passou lá para notificá-lo. Quando o fiscal chegou se apresentou como fiscal municipal. O seu Sebastião falou assim: - "Ah é... o senhor é fiscar municipar?... pois eu sou fiscar federar... Ponha-se daqui para fora porque as minhas abelhinhas não fazem mal pra ninguém"... E o vizinho ainda teve que ouvir umas boas.
Um dia estávamos conversando na varanda da minha casa e apareceu uma aranha de porte grande. Peguei o chinelo para matá-la mas seu Sebastião me impediu. Foi até a aranha, pegou-a com a mão e levando para perto do seu rosto começou a conversar com ela: - "Olha o Farina é meu amigo e tem medo de você então eu te peço que vai embora e não faça mal pra ele." Depois soltou a aranha na grama do jardim e ela se foi.
O seu Sebastião demandou na justiça contra um parente. Problemas com partilha de herança. Quando saiu a sentença favorável a ele, comprou uma caixa de foguetes, e andando de bicicleta em volta do Fórum, soltou um por um sem falar para ninguém os motivos de tal ato. Todos pensavam que se tratava de um maluco.
JOSÉ CARLOS FARINA

RELATO DE PIONEIRO - AGRADECIMENTO


há ± 1 hora
  • Muito obrigada pela entrevista e pelo seu blog . Com muito orgulho assisti minha tia falar do seu amor pela nossa querida Rolândia! Pessoas que aqui chegaram e ajudaram a construir nossa cidade. Tia Antonia com seus 86 anos tão lúcida e querida. Obrigada por resgatar estas lembranças. 

sábado, 14 de abril de 2012

VÍDEO ENTREVISTA COM O PIONEIRO ALCIR FRANZONI - MINEIRO

HOSPITAL ALEMÃO - RELATO DE PIONEIRO


ANTONIO MALLY:
Como pedreiro participou da construção do hospital em 1944 tendo sido um dos encarregados da rede hidráulica, assentamento de piso e acabamentos dos 40 quarto e 13 banheiros. "O dr. Bär trabalhava de dia e de noite.  Ele fazia cerca de 60 consultas por dia e a noite ele fazia cirurgias. Antonio diz que foi uma pena ver esta demolição. O Dr. Bär lutou tanto por este hospital, mas agora que ele está morto e o seu prédio foi demolido. Mas para dar lugar ao novo." O hospital funcionou por cerca de 30 anos.
FONTE: JORNAL MANCHETE DO POVO - RODRIGO STUTZ

FAMÍLIA LOVATO DE ROLÂNDIA


FAMÍLIA LOVATO
Meu saudoso pai falava muito bem da família Lovato...
Seu Atílio.. Antonio, Renato e todos os demais...
Trabalharam muito neste Solo Roxo...
Ajudaram a construir tudo o que vemos hoje...
Meu tio Renato de saudosa memória (foi casado com Laura Farina ) era um excelente cafeicultor... cuidava dos cafezais com muito amor.. possuia um dos melhores cafezais de Rolândia....
Um abraço a todos os Lovatos de Rolândia e região...  JOSÉ CARLOS FARINA

*LEGENDA DE FOTOS: À ESQUERDA RENATO LOVATO 
À DIREITA: ANTONIO LOVATO

terça-feira, 20 de março de 2012

RELATO DE VERGILIO RODRIGUES ( colonia portuguesa )


Nos anos 80 entrevistei vários pioneiros de Rolândia e entreguei o material por escrito no Museu Municipal. No mês passado fui lá no museu e requisitei cópias destes relatos para publicar aqui. Para a minha surpresa os relatos de alguns pioneiros  foram perdidos. Entre eles o do pioneiro Vergílio Rodrigues, de origem portuguesa. Seu Vergílio chegou aqui em 1934, quando tinha tudo ainda para se fazer. Inicialmente ele trabalhou para a Companhia de trens, fornecendo dormentes para a fixação dos trilhos. Ele tinha turma de lenhadores cortando árvores na floresta usando apenas machado. Seu Virgílio tinha um caminhão 1929 que foi um dos primeiros da cidade. Seu Virgílio morou muito tempo ali na Rua Wilie Davids, em frente o parquinho do Lions. JOSÉ CARLOS FARINA

RELATO DE ANTONIO CARDOSO ( DA CARROCINHA )


Nos anos 80 entrevistei vários pioneiros de Rolândia e entreguei o material por escrito no Museu Municipal. No mês passado fui lá no museu e requisitei cópias destes relatos para publicar aqui. Para a minha surpresa os relatos de alguns pioneiros  foram perdidos. Entre eles o do pioneiro Antonio Cardoso. Bem, vou tentar relatar o que me lembro da sua entrevista. Estes dados foram confirmados pela viúva que reside ali próximo a linha do trem. Ele chegou em Rolândia em 1934 quando não havia praticamente nada por aqui. Só havia pequenas "picadas" no centro da cidade. Seu Antonio derrubou mata virgem "no machado" na Rua Monteiro Lobato em frente o "Souza Naves".   ajudou a construir o Hotel Rolândia. Ele e seu pai abriram no enxadão o primeiro cemitério. Seu Antonio era um exímio caçador e sempre ia caçar pacas, cotias e "jacús" na proximidades da atual padaria do Miranda. Seu Antonio também ajudou a cavar no enxadão e pá o leito da estrada de ferro, de Cambé até a atual Estação. Lembro-me que o sr. Cardoso contou-me que os burros levavam as carroças com terra de um lugar para o outro, não precisando de ninguém para segurar as rédeas. Os burros descarregavam a terra e depois voltavam sozinhas para buscar mais.  Seu Cardoso foi um dos primeiros funcionários do antigo Abatedouro de boi de Rolândia que ficava ali próximo do Manoel Muller.Seu Cardoso foi também nos anos 60 e 70 o responsável pela "Carrocinha" que pegava os cães abandonados na cidade. Ele era muito bom laçador. Cansei de torcer contra ele, mas na maiorias das vezes ele vencia e prendia os cães.  Seu Cardoso era pai do Ladislau, meu amigo e meu irmão de fé. 
JOSÉ CARLOS FARINA (HISTORIADOR)

RELATO DE MARIA ANGELA ROSEIRA MAURER


Morei em Rolândia em 1958/59. Adorava uma sorveteria que tinha no centro, e que morei pertinho. Sei que passei por lá em 1975, já casada e visitei a sorveteria, não lembro o nome, mas já era famosa. Adorei as fotos, senti saudades daquela época em que íamos sozinhos prá escola, meu irmão e eu. Eu fiz o prézinho no colégio das irmãs e meu irmão fez o terceiro ano no grupo escolar, não lembro o nome. Viajamos muito de trem e também andamos de charrete. Conhecemos a família Shauff e fomos vizinhos de um deles em Maringá, a história é linda dessa família.

Maria Angela Roseira Maurer 

VITÓRIO CONSTANTINO E ROLÂNDIA

VITÓRIO CONSTANTINO

O professor e advogado Vitório Constantino teve uma participação ativa na sociedade rolandense. Além de professor e diretor da primeira Escola de Rolândia (atual Souza Naves) foi proprietário do primeiro serviço de "Alto-falante" e do primeiro jornal. um serviço jornalístico e de entretenimento onde o mesmo passava as notícias e musicas através de enormes "cornetas" fixadas no centro da cidade ( seria o Blog do Farina hoje). Mais tarde ficou famoso em todo o Estado como um dos melhores advogados criminalistas do Paraná. Participou ativamente da política sendo vereador de 1947 a 1951. Foi juiz de direito da comarca em 1949. Mesmo depois de mudar para Londrina onde tinha o seu escritório e lecionava na UEL retornava sempre à Rolândia onde tinha muitos amigos. Era muito amigo dos saudosos Waldemar Moretti e do Abdo Sacca. Tive o prazer de viajar com ele para Campo Mourão e absorver um pouco dos seus conhecimentos. Nesta ocasião também estava o Dr. Waldemar Moretti e João Maria Rocha. Após o júri o grupo foi para um jantar onde pude saborear um pouco de sua biografia e ensinamentos na área jurídica. Ele era uma figura carismática atraia sempre a atenção por tudo o que fazia e falava.. JOSÉ CARLOS FARINA

quinta-feira, 15 de março de 2012

JOSÉ FARINA FILHO - PIONEIRO EM ROLÂNDIA - PR.




JOSÉ FARINA FILHO
O Sr. José Farina Filho  nasceu em  Jardinópolis-SP. aos 02 de outubro de 1928, faleceu em Rolândia-Pr. no dia  22 de setembro de 2006, aos 77 anos de idade.
Sr. José Farina Filho  era casado com a Sra. Sebastiana Martin Farina e tinha 6 filhos, Pedro Argemiro e Marco Antonio (comerciantes), Paulo Ademir (engenheiro), José Carlos (advogado),  Maria Dolores e Sandra  Mara (professoras), 14 netos e uma bisneta.
Foi pioneiro do município da gleba cafezal onde chegou em  1940 em companhia dos pais José e Adelaide e dos irmãos Antonio, Irineu e Laura. trabalhou na lavoura até 1953, derrubando mata, plantando, colhendo e comercializando lenha para os moradores da cidade que utilizavam este combustível para os fogões.
De 1953 até a sua aposentadoria foi corretor de imóveis, chegando a vender terras para a Companhia de Terras Norte do Paraná, na região de Umuarama e Uniflor. Sempre usando chapéu de feltro e óculos, era muito conhecido também pelo seu inconfundível Jipe Wilys 1951, verde.
Como agricultor e depois corretor de imóveis ajudou a desbravar o interior do Município,  trazendo compradores de terras de outras regiões e de outros Estados, que acabaram se fixando em Rolândia, aumentando ainda mais as nossas riquezas e produção. Naquela  época não havia estradas asfaltadas e o serviço do corretor era muito duro. Quando era época de estiagens havia muita poeira e em ocasiões de chuva era quase que impossível o deslocamento de veículos, mesmo que fossem jipes. Seu conhecimento era tão grande sobre  o nosso município que até poucos anos atrás conhecia lote por lote, gleba por gleba, os antigos proprietários.
Além do amor pela nosso município, pelas nossas terras e  pela família, tinha também muito amor pelo Nacional Atlético Club, o NAC,  time de seu coração, onde chegou a exercer o cargo de diretor de publicidade, fazendo a propaganda dos jogos através de alto-falantes  ambulante em Rolândia, Cambé, Arapongas e Jaguapitã, convocando a torcida para comparecerem ao estádio em dia de jogos. Os filhos jogavam os panfletos na rua.
O Sr. José Farina Filho não perdia nenhum jogo do Nacional, mesmo que o time se  apresentasse  em locais distantes. Com o seu radinho de pilha colado no ouvido não  perdia nenhum lance. O seu grito era sempre este: Vamos! vamos lá Nacional! aí garoto!  muito bem!
Após se aposentar em 1992 trabalhava todo dia na Eletrônica Central, localizada na Av. Expedicionários, 65,  consertando  chuveiros e ferros elétricos, trabalho que fazia com muito amor, mais como uma distração.
Como pioneiro, corretor de imóveis e técnico de chuveiros  angariou muitos amigos, que compareciam diariamente para conversar  sobre  muitos assuntos. Mesmo tendo estudado apenas o antigo curso primário, tinha uma boa cultura, e durante muitos anos lia jornais diariamente e não perdia sequer um Jornal Nacional estando sempre bem informado sobre todos os assuntos e também sobre a política nacional e municipal.
Tudo o que conseguiu através do seu trabalho como  agricultor, corretor e depois comerciante investiu em Rolândia, a  cidade do seu coração, onde ainda moram sua esposa, seus 6 filhos, netos, bisneta, irmãos e sobrinhos, e onde estão sepultados os seus pais, sogros e um irmão. JOSÉ CARLOS FARINA 
FOTO - JOSÉ FARINA FILHO com o autor deste artigo.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

VÍDEO MEMORIAL DO IMIGRANTE - HOSPEDARIA DE SÃO PAULO

VENDAS ( EMPÓRIOS ) ANTIGOS - SECOS E MOLHADOS


VENDA DO DISTRITO DE GUARAVERA - ANTIGAMENTE MUITAS COMPRAS ERAM ENTREGUES ASSIM "EMBRULHADAS" EM JORNAL E AMARRADAS COM BARBANTE. O ARROZ, FEIJÃO ETC. ERA PESADO NA HORA. O ÓLEO ERA VENDIDO EM GARRAFAS. Micaela Orikasa - Reportagem local By FOLHA DE LONDRINA





quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

BETO RICHA OFENDE OS PIONEIROS


SOU PÉ VERMELHO COM MUITO ORGULHO

Governador Beto Richa... Se você (permita-me chamá-lo assim por ser ainda jovem) tivesse o amor que eu ( e seu saudoso pai)  tenho pela terra vermelha do norte do Paraná não teria afirmado que a nossa região não tem vocação para industrializar-se. Ora, se não fosse o arrojo, a coragem, a capacidade e o trabalho do pioneiro não tínhamos transformado a floresta virgem em cidades progressistas como Londrina, Maringá, Cornélio, Arapongas e Rolândia e tão pouco tempo (80 anos).  Amamos Curitiba, mas veja governador que esta cidade precisou de  mais de 200 anos  para chegar onde chegou. Pelo ritmo do desenvolvimento do norte do Paraná não precisaremos de tanto tempo assim para superarmos Curitiba, pois afinal possuímos melhores terras,  melhor clima e um povo muito trabalhador. Gostaria que em nome de tudo o que o seu saudoso pai representa para o norte do Paraná que você repense o nosso potencial e importância para o Estado e para o Brasil. Eu sou pé vermelho e tenho muito orgulho disso. Viva o Norte do Paraná, o melhor lugar do mundo para se viver. JOSÉ CARLOS FARINA - ROLÂNDIA-PR.