sábado, 31 de dezembro de 2011

UMA VIAGEM DE TREM PELO NORTE DO PARANÁ


Uma viagem inesquecível

Aconteceu nos anos 70.  Eu, minha querida mãe e meu  primo    Toninho      (sempre presente em quase todas as minhas aventuras). Viagem de Rolândia à São Paulo onde fomos passear na casa de parentes. Saímos de Rolândia por volta das 21 horas. Tinha na época 16 anos. Tudo nesta viagem foi maravilhoso. Foi a minha primeira viagem de trem. Lembro-me da  ansiedade até que o trem apareceu com aqueles faróis poderosos, soltando fumaça e aquele barrulhão do motor. Meu coração acelerou. O chefe da estação que portava um bonito quepe bateu o sino de bronze anunciando oficialmente a chegada do trem. Embarcamos. Minha mãe ( que era a primeira vez que viajava sem a presença do meu saudoso pai) acenava chorando ao início da marcha do trem. Ficamos olhando o meu pai e irmãos na plataforma da estação até sumirem. Mal começou a viagem a minha mãe pegou um rosário e começou a rezar pedindo proteção para a viagem. A preocupação dela era que o meu tio João não estivesse esperando na Estação Sorocabana em São Paulo. Por volta da meia noite fiquei entendiado com a lentidão da viagem, e não conseguindo dormir com o balanço e barulho do atrito das rodas de aço nas  emendas dos trilhos, fui até o vagão refeitório onde comprei uma revista. Sentei ao lado de uma das mesas para ler. Pedi uma bebida e  um maço de cigarro. Minha mãe preocupada com a minha demora e já chorando achando que tinha caído para fora do trem, mandou o meu primo me procurar. Me encontrou lá no refeitório com toda pose, sentado, lendo, fumando e bebendo ao lado de dois garçons vestidos com ternos brancos. Sendo meu primo morador da roça ficou com vergonha de entrar ali, só acenou com a cabeça e voltou pra contar o que viu. Até hoje ele ri muito ao descrever esta cena.  Ao amanhecer  eu e meu primo fomos para o último vagão onde havia uma espécie de varanda. Eli fumando um cigarrinho íamos contemplando as belas paisagens. Os lavradores paravam de carpir ou arar a terra para acenar para nós. Nos sentíamos muito importantes ao recebermos estes acenos. Minha mãe continuava a rezar com o rosário na mão. Só parava para mandar o cobrador de bilhetes nos avisar para não irmos muito longe (como se isso fosse possível). A uma certa altura da viagem, já chegando em São Paulo, eu e meu primo ficamos na "paquera" em frente o vagão de sanitários. Estava encostado na porta do sanitário feminino quando, em uma curva, a porta abriu e eu fui arremessado para dentro. Acabei  machucando a perna com o impacto  no vaso sanitário (Ainda bem que não tinha nenhuma mulher lá dentro). Meu primo ri até hoje desta proeza. A viagem foi muito emocionante do começo ao fim. A parte ruim era aguentar o cobrador de cinco em cinco minutos querendo ver os bilhetes e os vendedores de revistas, jornais, sanduíches e pratos feitos. Eles passavam a todo instante gritando: - Olha o sanduíche... prato feito.. revistas.. (como coisa que a gente não sabia!...). Os cara eram reconhecíveis até no escuro. Portavam um paletó preto com o distintivo da RVPSC (Rede Viação Paraná Santa Catarina) e um quepe da mesma cor, com  emblema de bronze. Pareciam uns generais. Interessante que eram todos gordos. Eu acho que ele mais comiam aquela comida do que vendiam. A viagem durou uma noite mais  meio dia. A cada cinco minutos, quando enfim o trem embalava, tinham que parar... Mais uma estação. Daqui em São Paulo eu acho que haviam mais de 1.000 estações. Nunca vi coisa igual. Minha mãe quando viu o meu tio João nos esperando na Estação em meio a tanta gente só faltou pular em cima dele tamanha a alegria.  Saímos com o meu tio, carregando malas enormes em meio a multidão. Com medo de me perder do meu tio andei levando uns safanões, pois mesmo sem querer acabei acertando as canelas de alguns transeuntes. E as malas antigas eram feitas de uma material que parecia casco de tartaruga. Doía muito a pancada. Nunca tinha visto tanta gente junta. Parecia um formigueiro. Pensava: haja trens para levar todo mundo. Já ao lado do meu tio minha mãe agora ia rezando agradecendo o sucesso da viagem. Mas, falando sério, foi a viagem mais emocionante que tive na minha vida até hoje.  Dificilmente vou fazê-la de novo, pois nem mais trem de passageiros temos.  JOSÉ CARLOS FARINA - ROLÂNDIA - PR.

OBS.: Na 1ª Foto o meu primo Toninho. Ele não é louco não. A foto foi tirada na festa de um casamento da família. É claro que tinha bebido um pouco.... Na 2ª um trem daquela época (museu do trem de Baurú)...

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

ANOS 60 EM ROLÂNDIA - TELEVIZINHO


TELEVIZINHO

Quando o sinal de TV chegou  em Rolândia pelas ondas da TV Coroados, canal 3, foi a maior sensação. Como o preço dos televisores era um absurdo para o maioria da população surgiu o televizinho. Nos primeiros anos eu e meus irmãos assistíamos televisão na casa do nosso amigo Aylton. Um dia chegamos na casa dele para mais uma sessão e o "pau estava comendo" lá dentro. Era briga de marido e mulher. Inicialmente não abriram a porta, mas como era dia do seriado Bonanza insistimos. A dona da casa abriu a porta e aos gritos disse: - "vocês não estão vendo que o ambiente aqui não está bom. Sumam daqui. Voltamos para  casa tristes e chorando por perdermos um episódio do faroeste, da qual éramos fãs. Meus pais se compadeceram de nós e como o meu pai também era fã do Bonanza deu um jeito  e comprou um televisor. Lembro-me até da marca... era Eletronic e era montado pelo saudoso Helmut Ditrich. Vinha com quatro pés de madeira torneada que eram parafusados em baixo do aparelho. Na primeiro dia ficamos na sala assistindo até o final da programação. Só que aí começamos a sofrer igual a vizinha briguenta com os televizinhos. Lembro-me que nos dias dos seriados Bonanza e National Kid  juntavam dezenas de pessoas em nossa casa. Meus tios e primos vinham do sítio e todos se ajeitavam como podiam. Tinha neguinho sentado no colo, no assoalho, na janela. Todos vibravam com as brigas e tiros dos Cartwright, Adam, Little Joe, Ross e Benjamin. Depois de algum tempo a prefeitura instalou um televisor público onde hoje temos aquela imensa árvore "ficheira". Todo o dia na "boca da noite" o funcionário vinha, abria a grade e ligava. Eram centenas de pessoas que vinham de todas as regiões e da zona rural. Era muito divertido, os jovens paqueravam, as crianças brincavam e os adultos conversavam. Ah... dava muito movimento para os pipoqueiros e sorveteiros. Apesar da grana cura era um tempo bom... era um povo feliz... sem vícios... sem drogas... tudo era romântico e divertido. Tenho saudade. JOSÉ CARLOS FARINA - ROLÂNDIA-PR.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

HORTAS CASEIRAS NO NORTE DO PARANÁ - ANOS 60 e 70



HORTAS CASEIRAS - ROLÂNDIA - NORTE DO PARANÁ
Antigamente, principalmente nos anos 60 e 70 a maioria das famílias do norte do paraná tinha uma horta caseira no fundo do quintal onde se plantava e colhia alface, almeirão, salsinha, cebolinha, rabanete, cenoura entre outras hortaliças. Eu sempre ajudava a minha mãe com a hortinha dela. O trabalho era "afofar" a terra com o enxadão, cercando os canteiros com taboas ou tijolos. Após era acrescentado estrume de gado seco e curtido. Aí fazíamos pequenos sulcos onde eram depositados as sementes. Para evitar que os pássaros não comessem as mudinhas novas trançávamos barbantes sobre o canteiro. Todo dia, de manhã e a tarde, eu ou um dos outros irmãos tínhamos que aguar os mesmos. A nossa terra aqui é tão fértil que a produção era exagerada. Além de presentearmos os vizinhos e parentes, muitas vezes saíamos com cestos vendendo o produto. Era muito difícil vender, pois quase todos tinham horta em seus quintais. Hoje ainda tenho este bom costume. Em casa tenho quatro canteiros feitos de tijolos (foto anexa) onde colho para o "meu gasto" almeirão, salsinha e cebolinha, sem agrotóxicos. E o melhor, na porta da cozinha. É só colher, lavar e temperar. É uma ótima terapia. Para trabalhar com horta é preciso gostar do contato com a terra (solos). Sempre que posso trago de fora "terra gorda" de matas virgens que é o melhor adubo que existe. Que tal agora fazer a sua hortinha? (CLIQUE NA FOTO) - TEXTO e FOTO de  JOSÉ CARLOS FARINA

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

CASA DO SAUDOSO PAULO MOLOGNI - CARAMURÚ

UM DOS FUNDADORES DO CARAMURÚ,  BAIRRO PERTENCENTE A ROLÂNDIA E LONDRINA.
EU IA SEMPRE COM O MEU SAUDOSO PAI JOSÉ FARINA VISITAR O SEU PAULO "BOLONHA", COMO ERA CONHECIDO. GENTE BOA. LÍDER DO LUGAR.

FOTO By  JOSÉ CARLOS FARINA

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

VENDAS ( BARES ) ANTIGOS DO NORTE DO PARANÁ - anos 40 em diante


ESTA É A VENDA DO CARAMURÚ, LOCALIZADA ENTRE ROLÂNDIA E LONDRINA. MEU PAI, JOSÉ FARINA FILHO, MEUS AVÔS JOÃO MARTIN E JOSÉ FARINA E MEUS TIOS ANTONIO E MANOEL FREQUENTARAM ESTA VENDA NOS ANOS 50, 60 e 70. ELA PERMANECE DO MESMO JEITO DESDE A SUA CONSTRUÇÃO HÁ MAIS DE 60 ANOS. TENHO UM VÍDEO NO YOUTEBE SOBRE ESTA E OUTRAS VENDAS ANTIGAS. É SÓ DIGITAR "VENDA ANTIGA FARINA". TENHO TAMBÉM FOTOS DELAS NO SITE "PANORAMIO" ETIQUETAS "ROLÂNDIA".  TEXTO e  FOTO de JOSÉ CARLOS FARINA

CASA DE SÍTIO NO NORTE DO PARANÁ - anos 40 em diante


Esta é uma típica casa de sítio do norte do paraná nos anos 40 em diante.  Esta está localizada próximo ao Caramurú onde os meus pais e avós viveram. Antes da geada de  1975 todo sítio tinha pelo menos duas casas. A do proprietário e uma outra do porcenteiro. Após a geada restaram poucas casas inteiras na zona rural. Estas casas não tinham forro para a fumaça das lamparinas "vazar" para fora. O porão era aberto onde os cães acabavam deixando pulgas. As táboas dificilmente eram pintadas. 99% tinham fogão caipira com chaminé. Ao lado da casa ficava o paiol de milho, a tuia para armazenar café e cereais, o chiqueirão para criar porcos, o curral para ordenhar a vaca.   Ah!.. não podia faltar um forno caipira feito de barro (para o pão e assados), o terreirão para secar o café e o poço caipira com corda e balde. A casa do meu avô nas proximidades do Pinheirão era bem parecida com esta. Passei muitas férias em um ambiente parecido.  Esta ainda resistiu. TEXTO e FOTO de JOSÉ CARLOS FARINA.

sábado, 19 de novembro de 2011

John George de Carle Gottheiner, nascido em Rolândia - Pr.


FOLHA1
John George de Carle Gottheiner tinha grande capacidade para idealizar e realizar projetos, em diversas áreas. O paranaense de Rolândia, filho de pai alemão e mãe inglesa, foi um empreendedor.
Seu pai, que trabalhou na Companhia de Terras do Norte do PR, veio ao Brasil antes da Segunda Guerra e se casou por aqui com uma inglesa que conhecera na Europa.
Quando o pai teve câncer, a família se mudou para Ubatuba (SP). John, que havia estudado num colégio alemão em Rio Claro (SP), fez administração na FGV, na capital.
Depois de formado, deu aulas de inglês num cursinho para estudantes que queriam entrar em economia na USP.
Em 1973, após ter sido diretor de um consórcio, fundou a empresa de proteção ao crédito SCI (Segurança ao Crédito e Informações). O negócio, que foi vendido em 1998 para a Equifax, teve 43 filiais espalhadas pelo país e cerca de 1.200 funcionários.
Não parou de investir após a venda da empresa. Foi dono de fazendas de soja no TO e de gado no MS, de uma metalúrgica em Londrina (PR), de uma faculdade (Facesi) em Ibiporã (PR) e da rádio Pantaneira em Anastácio (MS).
Segundo Edgar Monteiro, diretor da metalúrgica, John tinha especial apreço pela educação, algo que adquirira quando professor. Sua faculdade, com 200 alunos, não era "para ganhar dinheiro", conta. Também teve uma fornecedora de kits escolares.
Morreu no sábado, aos 68, em decorrência de um câncer. Teve três filhos. A missa do sétimo dia será hoje, às 16h, na paróquia Nossa Senhora de Lourdes, em Alphaville, na Grande São Paulo.

sábado, 5 de novembro de 2011

ENTREVISTA COM O PIONEIRO ERWIN FRAGER - ROLÂNDIA - PR.


RASCUNHO DO DEPOIMENTO TOMADO POR JOSÉ CARLOS FARINA NO DIA 02/06/1992, DEVIDAMENTE ARQUIVADO NO MUSEU MUNICIPAL DE ROLÂNDIA-PR.


ENTREVISTA COM O PIONEIRO JOSÉ GONÇALVES RUIZ - ROLÂNDIA - PR.


RASCUNHO DO DEPOIMENTO TOMADO POR JOSÉ CARLOS FARINA NO DIA 02/06/1992, DEVIDAMENTE ARQUIVADO NO MUSEU MUNICIPAL DE ROLÂNDIA-PR.




ENTREVISTA COM O PIONEIRO ANGELO ( ANGELIN ) SARTORI - ROLÂNDIA - PR.


RASCUNHO DO DEPOIMENTO TOMADO POR JOSÉ CARLOS FARINA NO DIA 25/05/1989, DEVIDAMENTE ARQUIVADO NO MUSEU MUNICIPAL DE ROLÂNDIA-PR.
(CLIQUE NA FOTO PARA AUMENTÁ-LA)
ANGELO ( ANGELIN ) SARTORI


ENTREVISTA COM A PIONEIRA ANGELINA LEMOS CHIARATTI - ROLÂNDIA - PR.


RASCUNHO DO DEPOIMENTO TOMADO POR JOSÉ CARLOS FARINA NO DIA 24/05/1989, DEVIDAMENTE ARQUIVADO NO MUSEU MUNICIPAL DE ROLÂNDIA-PR.



ENTREVISTA COM O PIONEIRO LUIZ CHIARATTI - ROLÂNDIA - PR.

RASCUNHO DO DEPOIMENTO TOMADO POR JOSÉ CARLOS FARINA NO DIA 30/05/1989, DEVIDAMENTE ARQUIVADO NO MUSEU MUNICIPAL DE ROLÂNDIA-PR.


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

ENTREVISTA COM O PIONEIRO JOSÉ FARINA FILHO - ROLÂNDIA - PR.



RASCUNHO DA ENTREVISTA TOMADA POR JOSÉ CARLOS FARINA EM 1989 EM PODER DO MUSEU MUNICIPAL DE ROLÂNDIA-PR.
                                                    (FOTO ACERVO DA FAMÍLIA)                                                     
                                            (CLIQUE NA FOTO PARA AUMENTÁ-LA)


















































quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A VIDA DOS JUDEUS EM ROLÂNDIA - PR.


JORNAL DE LONDRINA


UEL pesquisa história de judeus que fugiram do regime nazista e se refugiaram no norte do Paraná

Entre 1933 e 1941, cem famílias de refugiados do regime nazista na Alemanha vieram para Rolândia (distante 27 km de Londrina) fugidos dos horrores praticados por Adolf Hitler durante a Segunda Guerra Mundial. O projeto Etnicidade e Morte, do curso de História da Universidade Estadual de Londrina (UEL), há cinco anos pesquisa as relações de identidade e religiosidade na colônia judaica em Rolândia.
O coordenador do projeto, professor Marco Antônio Neves Soares, afirma que foram gravadas 30 horas de entrevistas. “Trabalhamos também com relatos escritos pelos próprios judeus que se estabeleceram em Rolândia”, diz ele. “Tem as memórias de Ricardo Loeb-Caldenhof, morto na década de 80; de Graf Von Galen; de Susane Behrend e seu irmão Rudolf Stern; de Max Hermann Maier; além de documentos e 90 livros que os refugiados trouxeram da Alemanha.”
O trabalho deve ser concluído em outubro deste ano e já é possível levantar informações importantes que revelam um pouco do que essas famílias viveram num período que envergonhou toda a humanidade. Soares afirma que Rolândia foi descoberta pelos judeus por meio dos ingleses, que vendiam, na Europa, terras do norte do Paraná (Companhia de Terras Norte do Paraná).
Muitos dos judeus que chegaram a Rolândia eram, na Alemanha, grandes juristas, artistas, intelectuais. “Eles também tinham em suas famílias, pessoas de destaque no cenário alemão e mundial”, afirma Soares. Como Susane Behrend, cujo tio foi prêmio Nobel da Química, Fritz Haber; ou Hulda Bielschowsky cujo tio desenvolveu a cirurgia para estrabismo.
O medo de serem descobertos e mandados de volta para a Alemanha, para serem exterminados, levou essas pessoas de alto nível intelectual a fugirem de centros urbanos logo que chegaram ao Brasil. “Eles optaram por virem para um lugar que é quase uma selva e se dedicarem à agricultura, atividade com a qual não tinham nenhum contato na Alemanha”, afirma Soares.
Foi também esse medo um dos motivos, de acordo com o professor, que levou os judeus a não se organizarem como comunidade em Rolândia. A única relação que eles mantinham uns com os outros se dava por meio dos empréstimos de livros.Todos trouxeram muitos livros, a família Stern trouxe dois mil.
Eles se ajudavam, mas não mantiveram relações estreitas, de acordo com Soares. Havia também uma tensão entre os próprios judeus. “Encontramos um certo ressentimento na fala de alguns desses refugiados. Isto porque alguns conseguiram comprar terras e outros foram trabalhar de empregados nessas propriedades.”
Família Stern perdeu quase tudo durante a fuga para Rolândia
A família Stern fugiu da Alemanha em 1939, ainda com as palavras da Gestapo ecoando em suas mentes: “Nosso braço é comprido e vamos pegar vocês em qualquer canto do mundo se disserem o que viram e viveram aqui.” Susanne Stern Behrend, 88 anos, lembra do terror que sentiram durante os anos do holocausto.
Os Stern estão entre as famílias de judeus que se refugiaram em Rolândia. Susanne conta que eram em cinco: ela, os pais, o irmão e a avó, e que foram para a fazenda de um amigo do pai dela. O pai de Susanne tinha se formado em direito na Alemanha e se transformado em dono de serraria.
Na fuga, os Stern perderam quase tudo e entraram no Brasil com pouquíssimo dinheiro. A família chegou sem dinheiro e acompanhada do terror do campo de concentração de Sachsenhausen, em Brandenburgo, onde o pai ficou um mês.
“Não conhecíamos a língua, não tínhamos nada e tínhamos muito medo”, conta Susanne. “Falávamos sempre muito baixo, olhando para todos os lados para nos certificarmos de que ninguém estava nos ouvindo.”
Essas condições eram tão restritivas que os Stern não se relacionavam nem mesmo com os outros judeus que já estavam em Rolândia e que foram chegando depois. “Os judeus estavam pelas fazendas e poucos tinham dinheiro. Vinham para a cidade só para comprar mantimentos e logo voltavam.”
As tradições judaicas não tinham lugar nessa nova vida. “Não mantivemos nenhuma”, conta. “Para formar uma comunidade judaica é preciso 10 homens adultos para fazer uma reza, por exemplo. E os judeus não tinham contato entre si.”
Anos depois de terminada a Segunda Guerra Mundial, os judeus que chegaram a Rolândia continuaram sem se organizar em comunidade e cultivar suas tradições. Susanne conta que não passou nenhuma delas para seus filhos. “Ficou um machucado tão profundo que eu decidi dar a religião cristã para meus filhos”, afirma. “Ser judeu é uma carga muito pesada.”
Susanne só voltou à Alemanha, com o marido Helmut Behrend, nos anos 80, para conseguir angariar fundos à Apae de Rolândia, da qual o casal foi fundador. “Eu jamais voltaria a morar na Alemanha. Não quero nem ser enterrada lá.”

Relato da imigração judaica em Rolândia por Ricardo Loeb-Caldenhof

Memoiren   é uma longa e detalhada narrativa do estabelecimento de Ricardo Loeb-Caldenhof e de sua esposa Sylvia O. Loeb-Caldenhof  na selva da Gleba Roland. Traz muitas referências do cotidiano da colônia e descreve de maneira minuciosa o  desenvolvimento da cidade e de seus habitantes, imbricado por histórias pessoais. Começou  a ser escrita em 1987 e foi terminada em abril de 1991, ano em que o autor completou 82  anos.  Filho de uma proeminente família judia estabelecida na região de Hamm emigrou para Rolândia em 1938, e dedicou-se às atividades agrícolas em sua Fazenda Belmonte, já  que havia cursado agronomia na Universidade de Bonn. Teve um papel aglutinador entre  os refugiados pelas constantes visitas que fazia aos campos de cultivo e às residências, mas  se sentia menosprezado entre os mais intelectualizados, por achar que estes consideravam a  agricultura um trabalho braçal de homens rústicos e não dedicados à leitura e ao  refinamento. Em sua narrativa, descreve a vida burguesa anterior à ascensão do Partido NacionalSocialista e a importância de sua família no contexto político-militar alemão durante o II  Reich e a República de Weimar. Analisa a deteriorização da situação econômico-social e  familiar da ascensão de Hitler até 1938, quando finalmente resolveu fugir para Rolândia,  onde já estavam pessoas do círculo de relações de sua família. Rememora acontecimentos,  pessoas e discussões, e expõe os motivos que fizeram permanecer no Brasil. A última parte  de suas Memoiren é destinada aos acontecimentos que envolveram a Fazenda Belmonte, desde aumento, manutenção ou queda de produtividade até as viagens pelo Brasil para  conhecer novos cultivares ou novas técnicas de cultivo. FONTES PARA A INVESTIGAÇÃO DAS IDENTIDADES E RELIGIOSIDADES  JUDAICAS LONGE DO JUDAÍSMO INSTITUÍDO: O CASO DE ROLÂNDIA  por Marco Antonio Neves Soares

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

MICHAEL TRAUMANN - PIONEIRO DE ROLÂNDIA - PR.


Quando chegou em Rolândia em 1937 ao lado do pais tinha 12 anos.  Sua família era dona da Fazenda Giugalla localizada na Estrada antiga de Pitangueiras, ao lado da Venda do Belançon. Sua família era muito culta. Pai advogado e mãe cantora de ópera. O pai foi perseguido pelo nazismo, daí a necessidade de emigrar para o Brasil. Com o pai já com meia idade, Michael  ainda muito jovem se sentiu responsável pela família. No final da década de 40 viajou para os Estados Unidos onde conheceu e se casou com Jane Bharthelmes, com quem teve seis filhos (um falecido). Michael sempre foi fiel aos seus amigos. Foi um homem de caráter íntegro, de inteligência brilhante, fora do comum, cumpridor de palavra, sem vaidades. Quando mais jovem era  mais alegre. Com o passar dos anos tornou-se mais sério. Ele escreveu muito, inclusive peças teatrais, na maioria sobre a mitologia grego/romana. As peças de teatro com uso de fantoches foram apresentadas para inúmeras pessoas. Era um conhecedor profundo da Bíblia e durante muitos anos presidiu a comunidade Luterana. Era um ativista comunitário tendo participado por muitos anos da diretoria do Hospital São Rafael e um dos fundadores da Corol. Era um apaixonado por livros. Lia muito, as vezes  até cinco livros por semana. Sempre compartilhava o que aprendeu com familiares e amigos. Sempre dizia que o livro era o melhor amigo do homem por permitir que a imaginação florescesse na mente dos leitores. Ao morrer, a sua biblioteca com cerca de 4.000 volumes foram doados para a Universidade Estadual de Londrina. Foi uma pessoa admirável por todos que tiveram o prazer de conhecê-lo. SUSANNE BEHREND. 
Transcrito por José Carlos Farina.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

COMEÇOU A RECONSTRUÇÃO DO HOTEL ROLÂNDIA






Pelo que li nos jornais começou ontem (dia 29/09) as obras de reconstrução do Hotel Rolândia. Tenho muito interesse em acompanhar de perto estes obras pois fui o único a se interessar em defender sua preservação para as futuras gerações. Se não fosse a Ação Popular ajuizada por mim as madeiras já tinham virado caixaria de construção e móveis. Texto e 1ª foto de JOSÉ CARLOS FARINA

domingo, 11 de setembro de 2011

MINHA INFÂNCIA NA ROÇA NO NORTE DO PARANÁ - by FARINA



TEMPOS FELIZES



Passei a minha infância (anos 60) no Município de Rolândia, norte do Paraná. Como eu tinha os meus avôs, tios e primos morando na zona rural (sítio ) passsava todas as férias com eles. Acordávamos bem cedinho... por volta das 6:00 horas.  Os passarinhos nos acordavam sempre neste horário com a alvorada. Eram bem-te-vis, pássaros pretos, anús, tizil, sanhaços, sabiás, tico-tico e pombinhas... Corríamos para o curral para pegar leite quente com espuma e açucar direto no copo. Depois vínhamos para a cozinha comer pão com toucinho ou pão com torresmo. Logo cedo inventávamos um monte de brincadeiras. Uma delas era caçar passarinhos com estilingue. Pegávamos um embornal... o  colocávamos atravessado no ombro e íamos para o rio pegar seixos (pequenas pedras arrendondadas). Após, entrávamos no pomar ou no cafezal na esperança de abater uma pomba juriti para o almoço. Mas Deus sempre protegeu estas aves. Nunca consegui matar uma sequer. Bom... então armávamos arapucas para pegá-las. Muitas vezes conseguimos pegá-las. Levávamos as pobrezinhas para o meu tio abater. Após tirar as víceras e as penas não sobrava quase nada de carne. No verão, na parte da tarde, íamos quase todo dia nadar no riacho. Era um ribeirão pequeno de águas cristalinas e puras. Podíamos até beber  água diretamente do rio. Como o rio era muito pequeno, tínhamos que represá-lo. Colocávamos pedras, madeiras e barro. Tínhamos muita paciência e tempo. Caprichávamos tanto que muitas vezes conseguíamos até 0.80 centímetros de profundidade. Nossa!... para nós era melhor que piscina. Água limpa e geladinha. Foi assim que aprendi a nadar. Primeiramente estilo "cachorrinho" e depois "braçada". Tenho até hoje na minha mente a delícia daquelas águas "profundas" e geladas.... Muitas vezes levávamos peneira para pescarmos. íamos peneirando a água próximo ao barranco, trazendo para cima, barro, pedras e (quando dava sorte) lambaris e camarões de água doce. Mas, o que mais pegávamos eram carangueiros e girinos (filhotes de sapo). Saíamos sempre também  a passear à cavalo. Meu avô tinha duas éguas, a Serena e a Gaucha. As duas eram negras e tinham manchas brancas na testa. Eram lindas. Eu sempre montava a Gaucha que era mais mansa e o meu primo a Serena que era arisca. As vezes íamos longe. Até o Caramurú. Não havia perigo... Não tinha bandido... Não tinha ladrão... Era um prazer incrível poder respirar aquela brisa com o cheiro da florada dos eucaliptos e flores silvestres. Era tudo tão bonito... aqueles cafezais... os trabalhadores capinando a roça...os cumprimentos... tarde!... dia!... (quase ninguém falava bom dia!.. Boa tarde!...) As vezes apóstavamos corrida. (eu perdia sempre e ainda gritava: - me espera preto (apelido do Toninho).  Ao chegarmos em casa andavámos com as pernas abertas por causa das feridas que se formavam nas nádegas. Era uma cavalgada hoje e um período de descanso de pelo menos uns cinco dias para que as feridas cicatrizassem. Eu, meu primos e irmãos adorávamos também acompanhar meu tio e meu avô em viagens de charrete até a venda do Caramurú. Enquanto o meu tio tomava uma "branquinha" eu e meu primo comíamos sanduiche de mortadela e paçoquinha. Meu tio Manoel tinha quatro cachorros americanos de caça e sempre o acompanhávamos em suas caçadas. Era muito divertido. Quando os cães "levantavam" alguma paca ou cotia começavam a correr e uivar sem parar. Ai nós tínhamos que correr junto para ver o resultado. As vezes corríamos uma manhã inteira e era só frescura dos cachorros. (não tinha bicho nenhum). Eu gostava muito quando chegava visita à noite. Eu e meu primo ficávamos sentados ao lado do fogão caipira à lenha comendo pipoca e o meu tio, avô  e visita ficavam contando causos de assombração. O duro era dormir depois. A gente sempre acreditava naquelas mentiras que eles contavam. Eles sempre falavam assim: - "Não sei se é verdade, mas lá em Barretos, meu avô contava que aparecia uma luzinha depois da meia noite e acompanhava os cavaleiros e suas comitivas". A gente sempre ajudava a avó na capina e limpeza do quintal e do pomar e em troca ela fazia pra nós cural de milho, bolos e outras guloseimas. Fazíamos casas do Tarzan em cima das árvores. Amarrávamos uma corda para subir e descer da árvore. Íamos a uma floresta que havia lá perto atrás de marfim para fazermos arco e flexa. Os arcos eram tão bons que conseguíamos arremessar flexas a mais de 50 metros de distância. Subíamos em eucaliptos finos, e, estando lá em cima, forçávamos o tronco a inclinar até  alcançarmos o chão. À noite em nosso quarto ficávamos contando "estórias" e piadas que ouvíamos dos adultos. Na falta de piadas novas repetíamos as de sempre. E o pior, sempre ríamos do mesmo jeito  (isso é que é solidariedade). Teve uma época que  fazíamos carrinhos com rodas de pau e apostávamos corrida descendo em alta velocidade o carreador do sítio. Muitas vezes o "breque" falhava e acabávamos parando com o "chifre" no barranco. As corridas sempre acabavam em chôro. Um dia resolvermos construir um barco para navegar na represa do meu avô. Usamos um tacho (não deu certo)... usamos a mantimenteira da minha avó (também não deu certo)... Aí o meu tio Mané teve uma feliz ideia. Foi lá no mato e cortou uma árvore de imbaúva que é oca por dentro... juntou dois troncos em forma de "V" e pregou taboinhas... Aí deu certo... Passamos uma tarde deliciosa remando e pescando lambaris na represa. Tenho muitas outras estórias para contar, mas vai ficar para outro oportunidade. Até lá pessoal!...JOSÉ CARLOS FARINA - ADVOGADO - ROLÂNDIA - PR.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

O CABELEREIRO BARBEIRO MAIS ANTIGO DE ROLÂNDIA - By FARINA

SEU ZEZINHO
O CABELEREIRO BARBEIRO MAIS ANTIGO DE ROLÂNDIA - By FARINA
VEJAM TBM O VÍDEO NO YOUTUBE - By FARINA
 (CLIQUE NAS FOTOS PARA AUMENTÁ-LAS)

sábado, 2 de julho de 2011

EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS-PR. PROMOTOR PRESERVA PRÉDIO ANTIGO

EM ROLÂNDIA NÃO TIVE APOIO


O Ministério Público (MP) do Paraná entrou com uma ação civil pública, na última quinta-feira (30), por danos ao patrimônio histórico e cultural contra a prefeitura de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. O motivo foi a demolição de um prédio de 135 anos, em 14 maio deste ano. O MP quer que o prédio seja reconstruído e que a prefeitura pague indenização em benefício do Fundo Estadual do Meio Ambiente. O Casarão dos Passos Oliveira chegou a ser sede da prefeitura local. O imóvel foi construído no século 19 e era a única edificação da cidade que ainda tinha uma fachada com a arquitetura neoclássica italiana. No local, a prefeitura pretende construir o Paço Municipal para abrigar secretarias e órgãos municipais que atualmente estão acomodados em locais alugados. O município, que é dono do imóvel desde a década de 80, alega que obedeceu todas as normas legais e administrativas antes da demolição. Histórico. Em agosto de 2010, o jornalista Antônio Bobrowec, morador de São José dos Pinhais, deu entrada em um pedido de tombamento do prédio. Segundo ele, no dia 17 de agosto, após o pedido de tombamento, uma equipe da prefeitura esteve no local e emitiu um relatório informando que o imóvel estava em bom estado de conservação. Em maio deste ano, na época da demolição, a prefeitura emitiu nota oficial desmentindo esse relatório. De acordo com a prefeitura, o processo de tombamento foi indeferido pela Divisão de Patrimônio Histórico e Artístico da Secretaria Municipal de Cultura em 24 de março e a parte requerente não recorreu da decisão junto ao órgão competente, o Conselho Municipal do Patrimônio Cultural, em tempo hábil.  O MP informou que obteve liminar na 1.ª Vara Cível de São José dos Pinhais que determinava o pré-tombamento do prédio e proibia a demolição. Mas a prefeitura conseguiu suspender a liminar no Tribunal de Justiça em 9 de março de 2011 e demoliu o prédio em 14 de maio. Segundo o secretário de Comunicação, Luiz Carlos da Rocha, a demolição foi feita porque o município entendeu que o casarão não tinha valor histórico. Comparando fotografias da casa (antigas e atuais) foi constatado que a versão original não existia mais, porque havia sido objeto de inúmeras reformas, que o descaracterizaram. De acordo com a prefeitura, o restauro custaria R$ 1,36 milhão.  Fonte:  Gazeta do Povo de Curitiba

EM ROLÂNDIA NINGUÉM ME DEU APOIO

Aqui em Rolândia lutei sozinho para preservar o Hotel Rolândia. Se não fosse a minha ação popular as madeiras do hotel já tinham virado lenha.  Nem o pessoal metido a "entendido" em História e turismo me ajudaram.  Não ergueram nem um dedo sequer.  E depois ainda dizem que Rolândia é terra de gente culta... O prefeito foi criado na Suissa e se não fosse a minha ação popular ele tinha deixado o hotel virar lenha sem dó e nem piedade.  Um  Juiz da comarca chegou a falar para mim que o hotel era um monte de madeira velha e que era melhor lembrar dele apenas pelas fotos. MISERICÓRDIA!.... JOSÉ CARLOS FARINA
Obs.: Em um segundo momento, após o ajuizamento da ação foi que obtive apoio de Sabine Geisen, Antenor Ribeiro da Rede Record, Gustavo Parra da Rede Globo, do Jornal de Londrina, da Folha de Londrina, da Tribuna do Vale, Do Blog História com Café, Paçoca com Cebola, Rodrigo Stutz e Audrey Miranda Paiva.

FOTOS ANTIGAS DE ROLÂNDIA - 1955

Prezado José Carlos Farina:
(CLIQUE NAS FOTOS PARA AUMENTÁ-LAS)
Aqui vão as fotos prometidas. Elas foram tiradas numa festa de aniversário, provavelmente em 1955, e mostram o gramado e a varanda da casa. Até onde pude verificar, a casa ficava na atual rua César Albertoni, 204. Era uma casa de madeira escura e dava de fundos para a residência dos Lehman. Na frente tinha um gramado com cinco árvores, cinamonos (?), a entrada do carro era na lateral da casa. Nas fotos aparecem várias crianças (eu sou uma delas) com minha mãe e tias. Há também alguns convidados não identificados.

Um abraço.

Marcos Bonin Villela

Rio de Janeiro - Rj

sexta-feira, 1 de julho de 2011

HOTEL ROLÂNDIA - RELATO DE EUGENIO VICTOR LARIONOFF - 1º PROPRIETÁRIO E CONSTRUTOR DO HOTEL

HISTÓRIA DO HOTEL ROLÂNDIA

 Em 18 de junho de 1934, a Companhia de Terra Norte do Paraná efetuou a venda do  primeiro lote urbano ao Sr. Elmar Kirschnich. Antes disso, porém, já havia vendido lotes rurais a imigrantes japoneses, ainda em 1932. No dia 29 de junho do mesmo ano (1934), teve início a primeira construção do perímetro urbano: o Hotel Rolândia. De propriedade do russo Eugênio Victor Larionoff, funcionário do escritório da Companhia de Terras, em Londrina, foi a primeira de inúmeras construções que se sucederam. O que era para ser apenas um patrimônio, em pouco tempo tornou-se uma vila próspera. Larionoff conta que a idéia de construir um hotel veio de repente, surgiu em sua mente em um momento tão exótico quanto tinha sido sua vida: Assim relatou: "Foi num cemitério. Este porém, pertencia à então humilde povoação de Londrina, durante o enterro de uma senhora ligada à Cia de Terras Norte do Paraná, em abril de 1934. Neste dia, o tempo esteve tão esplêndido, com um céu tão límpido e azul, o ar tão puro e tanta luz solar cintilante e faiscando pelo mundo verde em que vivia, que não consegui concentrar-me na cerimônia fúnebre. A imagem resplandecente e alegre da natureza inundava minha alma toda. De súbito, lembrei-me da informação recebida há poucos dias que logo seria aberta uma clareira, distante uns 21 quilômetros de Londrina, na qual seria fundada pela Cia a sua terceira cidade (Rolândia). Irei construir ali algo notável para aquela época, disse a mim mesmo: um hotel, o Hotel Rolândia." Decidido, na manhã seguinte Larionoff foi falar  com o diretor da colonizadora, Mr. Arthur Thomas, que apoiou de pronto o projeto e abriu uma exceção por reconhecer a grande utilidade de um hotel, que ofereceria hospedagem aos compradores das terras. Seria um grande conforto no meio daquela floresta virgem que permanecia intacta até aquela ocasião. Com recursos próprios, Larionoff adquiriu, dia 20 de junho de 1934, três datas de terras para as futuras instalações do hotel. Logo a planta do hotel estava pronta. A fachada e a disposição interna foram idealizadas por mim, - relata Larionoff - ao passo que a preparação técnica coube ao nosso engenheiro Dr. Ernesto Rosenberger, filho do proprietário do Hotel Luxemburgo, de Londrina, bem como foi assinado o contrato de empreitada com os dois carpinteiros alemães. E assim, no dia 29 de junho de 1934 foi começada a primeira edificação na futura cidade de Rolândia: o meu hotel (lembra o pioneiro). Continuando o seu relato Larionoff recorda: "Às vezes dava um passeio pela área da futura cidade de Rolândia, que não passava de alguns alqueires. A mata silenciosa era como uma cortina verde que cercava toda a área destinada para a cidade. Nesses meus passeios o mundo exterior parecia muito longe e eu sentia-me inteiramente afastado dele. Para me compensar dessa solidão tinha “amigos” que muito admirava, pois nunca os vira antes nem durante a construção da estrada de ferro de Cambará até Jataí enem em Londrina no seu primórdio. Eram os tucanos. Eles me fascinavam. Trabalhava arduamente dia e noite. “Volta e meia ia pela manhã a Rolândia, por ser este o período do dia em que os compradores das terras, acompanhados por agentes, embrenhavam-se na mata a fim de escolher seus lotes.”  À noite, voltava a Londrina para fechar a compra. E sua presença (Larionoff)  era imprescindível, pois era responsável por lavrar as escrituras de compromisso, emitir recibos e receber o dinheiro da primeira parcela. Por falta de um banco na localidade, guardava o dinheiro num cofre e depois o enviava, por trem, para Ourinhos (SP). No final de setembro, a construção do Hotel Rolândia estava terminada. Já haviam começado outras construções na localidade. Dia 1º de outubro de 1934 deu-se a inauguração oficial do hotel, comemorada com um almoço, porém ele só começou a funcionar em novembro. Estiveram presentes à inauguração Mr. Arthur Thomas e Willie Davis (futuro prefeito de Londrina), com suas esposas, além de importantes funcionários da CTNP, como George Craig Smith, Luiz Estrella (arrendatário do Hotel) , Dino Schneider, Carlos de Almeida e Amador B. Merlo e os dois construtores alemães. Larionoff se recorda bem: "Neste  dia tão memorável para mim, hasteei à direita a bandeira brasileira que para mim significava o carinhoso acolhimento que recebi em minha nova pátria, e à esquerda a bandeira tricolor do Império Russo – a bandeira dos Czares confeccionada para mim por uma mulher russa, de Londrina. A previsão constantemente repetida pelos carpinteiros alemães que o hotel tão bem construído por eles duraria cinqüenta anos cumpriu-se inteiramente. Em 1987 Larionoff voltou a Rolândia onde recebeu o Título de Cidadão Honorário, projeto de minha autoria em companhia de Nikolaus Schauff. Em 29 de junho de 1988 Larionoff participou do palanque do primeiro desfile do aniversário de Rolândia com a nova data. JOSÉ CARLOS FARINA - EX-VEREADOR DE ROLÂNDIA

Fonte de pesquisa: Museu municipal de Rolândia, acervo próprio e  Fotografia e memória: 75 anos da história do Hotel Rolândia contada em imagens de Paulo César Boni e Cássia Maria Popolin.

terça-feira, 28 de junho de 2011

JESUS NÃO É RELIGIÃO - By FARINA

QUEM É JESUS?

Jesus não deixou uma religião. Quando Ele veio ao mundo já havia uma religião (a do Fariseus) que acabou mandando prendê-Lo e crucificá-Lo. Jesus deixou apenas a Sua Igreja. Mas não é uma Igreja com placas. É a Igreja de "onde tiver dois ou mais reunidos em Meu nome". E o que Jesus quer de nós? Apenas que nos amemos uns aos outros como Ele nos amou. Pediu que perdoássemos os nossos inimigos e orássemos por eles. Pediu o nosso louvor e adoração. Todos os dias pela manhã e ao anoitecer todas as aves do céu louvam a Deus com os seus cantos O mundo precisa mais do que nunca destes ensinamentos. JOSÉ CARLOS FARINA - ROLÂNDIA - PR.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

VENDAS ANTIGAS DE ROLÂNDIA - PR. 2

ESTA É A ÚLTIMA QUE SOBROU NO CENTRO

Esta construção de madeira (Rua Estilac Leal), com portas largas de duas faces, foi usada no  passado como uma das antigas vendas, ou Armazem de secos e molhados.  Até os anos 70 encontrava-se muito destas vendas em todo o norte do paraná. Em frente as mesmas muitos lavradores e  agricultores amarravam os seus cavalso e carroças. Era uma cena bonita  de faroeste. Texto e foto de JOSÉ CARLOS FARIN. (clique na foto p/ampliar)

sexta-feira, 10 de junho de 2011

BAR DA " PEDRA " EM ROLÂNDIA

BAR DOS CORRETORES E POLÍTICOS


Este bar foi fechado e desmanchado no começo do ano 2011. Era o Bar
Cinelandia. Este nome foi dado em razão de estar localizado entre dos antigos e extintos cinemas (Cine Rolândia e Cine Bandeirantes). A fama de ser o Bar da "pedra" começou nos anos 50. "Pedra" era o nome que se dá ao lugar central de uma cidade onde se reúnem os corretores de imóveis, os corretores de carros e políticos em geral. É onde se toma um cafezinho falando de negócios ou sobre política. O último dono do Bar da "pedra"  foi o Zé Urbano (Espanhol). Também foram donos o Cezario e o Gilini. Ali funcionava também um banca de apostas do Bello. Principalmente aos sábados o lugar era super frequentado. Todos os políticos da região e também do sul do Estado passaram por ali. Este lugar foi palco de muitas brigas também e até de um assassinato. As mulheres não ficaram triste com o seu fechamento pois reclamavam sempre que havia ali em frente alguns homens atrevidos. Eu era um dos seus fregueses desde os anos 80 quando o proprietário era o Kaoro Naito. (mas não sou atrevido não..- risos).  Durantes anos a fio ia todo dia de manhã tomar café ali... pretexto para "fofocar" sobre política.. encontrava sempre o Leonardo Casado, o Pacheco, Perazolo, Zé Marques, Mauro Rodrigues, Máximus Adas, Cezar Concato, Joaquim, Geraldo Furlan, meu pai José Farina, etc... Com o seu fechamento acredito que a "pedra" tenha ido lá para o Bar Mickey do "Quimico". Quem quiser conhecê-lo ou revê-lo assista o vídeo no Youtube "CAFÉS DE ROLÂNDIA FARINA".  TEXTO e 1ª FOTO de JOSÉ CARLOS FARINA, 2ª FOTO DE DEVALDO GILINI

terça-feira, 31 de maio de 2011

JUVENTUDE DOS ANOS 70 EM ROLÂNDIA

FORAM POUCAS MAS BOAS AVENTURAS
EU ERA FELIZ E NÃO SABIA (OU SABIA?)




 No meu tempo de jovem (não faz muito tempo não..risos) qualquer pessoa podia sair à noite ou de madrugada e nunca acontecia nada. A gente andava "duro" mas podia se divertir a vontade. Íamos aos bailes, voltávamos de madrugada e tudo era romantico e inocente. Havia sim rivalidade entre os jovens de cambé com os de Rolândia. Uma vez saímos em disparada com a TL do meu primo com os caras de cambé "metendo bala" em nós. Meu primo (Toninho L....) naquele dia dirigiu melhor que o Rubinho Barrichelo...(risos) Fazia curvas com duas rodas no ar, Eu que estava atrás era o "balanço" para o carro não caporar (risos). Ele correu tanto que fomos parar no Deizinho do Vermelho. Tinha um baile lá, desses de sanfona, aí o Toninho ergueu o vidro (era só poeira) e perguntou:  que lugar é esse aqui? O cara lá de fora (devia estar bêbado) respondeu: - Não fala assim não!..."Ocê tá no famoso Deizinho e não folga não que nóis não gostamos de forasteiros"!..Pronto!...Nem precisou falar mais nada...O Toninho engatou uma primeira e saiu jogando pó no cara do homem (ainda bem que ele nao estava armado risos...). Acabamos saindo no Bartira onde tinha um outro baile. Là foi tudo bem..passeamos na praça...paqueramos um pouco e depois voltamos para Rolândia.O máximo que fazíamos de loucuras era roubar pão e leite que eram deixados nas casas de madrugada. Quando a dona da casa acordava era só ir lá na varanda e pegar o pão quentinho e o leite natural da fazenda (quando algum filha da mãe não furtava...(risos). Na cidade toda havia no máximo uns vinte maconheiros...Uns caras da paz. Andavam sempre juntos e nao incomadavam ninguém. Só paz e amor (risos). Uma vez eu e dois primos fomos de táxi a um baile no Caramurú. Depois de chorarmos bastante a "corrida", cada um deu a sua parte da despesa. Mas só tínhamos o dinheiro para ir... Ficamos até de madrugada e depois voltamos a pé tentando pegar carona. Era noite de lua cheia....viemos contando causos e "proezas" e acabamos chegando. E é claro ninguém deu carona. Também naquela hora da madrugada quem iria parar para três rapazes cambaleando de tanto tomar "rabo de galo!....(risos) Nesta madrugada este mesmo primo, o toninho,   aprontou uma que eu nem conto....(Não!...conto sim)...passou um caminhão cheio de rapazes e moças....dedamos para pedir carona...além de não parar os caras começaram a gozar da nossa cara...(nos chingaram de bêbados). O meu primo pegou um torrão de terra e jogou... Minha nossa!...Que burrada!......os caras pediram para o motorista do caminhão parar e vieram pra cima de nós igual um vespeiro....nunca corri tanto....corremos do Pinheirão até a ponte do Cafezal...to cansado até hoje... (eu não sabia que era bom de pernas)...Deve ser a adrenalina. Na época nem sabia que medo tinha esse nome...(risos). A uma certa altura um dos caras gritou "lá vai bala"...olhei de lado e o meu primo Toninho estava correndo em zigue - zague...perguntei: - o que vc está fazendo? ele respondeu: - nao tá vendo ....é pras balas não acertar...aí os três começaram a correr em zigue e zague....(risos).  É...são boas lembranças...ainda bem que o cara atirou pra cima...Ou ele estava bêbado também, porque só ouvi os tiros, graças a Deus...(risos) Mas na dúvida corremos uns 5 quilometros sem olhar para trás..Êta povo valente sô!....(risos)
(Texto e foto de  José carlos farina - Advogado - Rolândia -Pr. )

sexta-feira, 13 de maio de 2011

PRAÇA CASTELO BRANCO - EX-BENTO MUNHOZ - ROLÂNDIA-PR.

EU ERA FELIZ E NÃO SABIA
(Foto da família Farina)
Lendo agora pouco a belíssima crônica do meu colega Horácio Negrão sobre a praça Castelo Branco e a Estátua do Roland, lembrei-me da minha infância em Rolândia no início dos anos 60. Não sou muito antigo não mas tenho na minha mente que a antiga praça Castelo Branco (ex-Bento Munhoz), antes da reforma, era um lugar encantado para mim. Minha mãe costumava levar eu e meus irmãos aos domingos para passear ali depois da matinê do Cine Rolândia. A   praça era o "point" de Rolândia. Como não existia ainda televisão a maior parte da população ficava passeando a pé no trajeto da igreja matriz até a citada praça. Os casados com suas esposas e filhos e os solteiros só na "paquera".  As pessoas colocavam suas melhores roupas. Era um verdadeiro desfile de moda. Lembro-me que minha mãe usando saia "plissada". Ela ficava linda e muito elegante vestindo-se assim. Eu e meus irmãos tínhamos terninhos com calças curtas e jaquetas. Modéstia à parte éramos crianças bonitas (até para os padrões de hoje). Ficamos feios com o passar do tempo....(risos). No centro da praça havia o famoso coreto conhecido como tartaruga. Ele era lindo e era a marca registrada do lugar. Se eu fosse o prefeito da época (Primo Lepri) jamais o teria desmanchado. Em cima do coreto havia uma grande corneta onde um "speak"  tocava músicas e mandava recados para os namorados. Não faltava pipoqueiros. Naquele tempo era chique comer pipoca na praça (risos). Lembro-me que entre os arranjos de flores e gramados haviam passarelas cobertas de pó de pedra. Conforme andávamos ouvíamos o barulho do atrito dos sapatos com as pedrinhas. Haviam muitos bancos de "marmorite" com a estampa dos patrocinadores. A antiga festa das nações era feita ali na Avenida Tiradentes e a  praça integrava o ambiente. No local havia um grande relógio que ainda pode ser visto ao lado da Estátua do Roland, só que na época funcionava. A Estátua do Roland estava fixada onde hoje temos o chafariz. As crianças amavam ficar olhando para ela e imaginado cenas de guerra e o guerreiro cortando as pessoas pela metade com aquela enorme espada (risos). Do lado da estátua depois de alguns anos colocaram um Televisor. A Tv ficava protegida com grade de ferro. Do lado a antena (e nunca houve furto). As 18 horas vinha um funcionário da prefeitura e ligava a Tv para o delírio da grande pláteia que comendo pipocas gritavam torcendo para os mocinhos do "Bonanza"...(risos). Na hora da novela só se via mulheres chorando com os diálogos de amor de João Coragem e Diana e enxugando as lágrimas. (risos). Do lado esquerdo, em frente a atual sorveteria, havia uma carreira de árvores "santas bárbaras". Hoje sobrou apenas uma delas....Embaixo destas "santas bárbaras" tinha um parquinho infantil. Lembro-me de um grande balanço e as crianças fazendo fila para brincar. A praça não era cortada no meio como agora. Ela pegava a quadra inteira. Quando o trem chegava na estação (ao lado da praça) a maioria corria para lá para ver quem chegou e quem ia embarcar. Era chique dar "tchau" para quem estava saindo de viagem (risos). Algum tempo depois no governo Primo Lepre a praça foi remodelada. Ela foi cortada no meio. Levaram o Roland lá para baixo (não sei porque - risos). Colocaram  pequenos tanques para peixes e um viveiro com alguns animais e pássaros. A sensação da nova praça, agora Castelo Branco, foram as luminárias siemens importadas da alemanha com seus super-postes com mais de 30 metros de altura. Para vocês terem uma idéia, estas lâmpadas clareavam até lá na casa dos meus pais (próximo ao campo do Nacional)...E não é mentira não (risos). Hoje, após a segunda remodelação, posso dizer que se não fosse o empenho dos ambientalistas tinha sobrado poucas árvores no local. Não existe praça sem árvores. Queriam cortar quase tudo. Tivemos que brigar muito. O  meu desejo agora é que a população descubra novamente o romantismo de passear na praça e levar as crianças para brincar. São lembranças que nunca serão esquecidas. Viva a praça!....Viva o verde!....JOSÉ CARLOS FARINA - ADVOGADO - ROLÂNDIA - PR.

terça-feira, 10 de maio de 2011

COLONIZAÇÃO JUDAICA EM ROLÂNDIA - PR. BRAZIL

COLONIA JUDAICA EM ROLÂNDIA - PR.

Rolândia (PR), fundada em 29 de junho de 1934,
tornou-se destino de judeus alemães. “Stadtplatz”, era assim que os judeus
chamavam Rolândia, na década de 1930, quando nas ruas ou se afundava na
lama quando chovia, ou se afundava no pó. Desde 1933 até 1939, das 400
famílias de origem alemã que se estabeleceram em Rolândia, cerca de oitenta
eram de origem judaica. A presença de alemães é tão intensa que o nome da
cidade pressupõe uma referência a Roland o herói imaginário da liberdade,
com uma estátua em praça pública tal como ocorre em muitas cidades alemãs.
Aliás, essa estátua é uma réplica de outra instalada em Bremem.
Foi realizado um intercâmbio entre a Companhia de Terras Norte do
Paraná e os imigrantes. A imigração era garantida através de uma troca, em
que o capital desses imigrantes era incorporado aos bancos a fim de
transformá-los em equipamentos para a construção da estrada de ferro. Em
troca os judeus alemães se livravam da morte. Autora Haudrey Miranda Paiva.

COLONIA JUDAICA EM ROLÂNDIA - PR.

POVO PRÓSPERO

90% dos imigrantes de origem judaica que aqui chegaram eram cultos e vieram com boas somas de dinheiro. Compraram fazendas...pagaram para os brasileiros derrubar a  floresta (geralmente mineiros e baianos)...A maioria viajava todo o ano para a Europa...Sempre tiveram empregados...Casas confortáveis com chuveiros, bibliotecas imensas...belos jardins...piscinas....bosques.... banheiras e  água quente...bons carros...boas roupas...bons cavalos de sela e de tração...Faziam festas e saraus  muitas vezes com orquestras. Eles eram muitos cultos e sentiam necessidade de se inteirar com as novidades da literatura e da música no Velho Mundo. Tivemos uns poucos descendentes desta colonia que se dedicaram ao comércio, a ex. da Casa Caviuna e Casa Mozer. "Os descendentes de Abraão serão prósperos em tudo o que fizerem e terão longevidade"....(Na foto vemos um modelo de casa alemã/judaico das fazendas de Rolândia) JOSÉ CARLOS FARINA.
*OBS.: RECEBI A SEGUINTE COLABORAÇÃO DO MEU SOBRINHO PAULO AUGUSTO FARINA:
"Após a ascenção do nacional socialismo dos trabalhadores alemães (nazismo), todos os bens judaicos (incluindo os capitais) foram congelados. Não havia como sair da Alemanha com as supostas "altas quantias em dinheiro". Assim sendo e, isto é confirmado por inúmeros estudos e documentos, os judeus-alemães compraram aço em siderurgias alemãs (em nome da Companhia de Terras Inglesa) que foram empregados na contrução de nossa Ferrovia. Em troca receberam os títulos das terras. A este propósito ler Rolândia, Terra Prometida de Ethel Kosminsky e A Travessia da Terra Vermelha de Lucius de Mello."

RÉPLICA: Há muitas exceções é claro, mas, a grande maioria dos colonizadores de ascendência judaica que compraram fazendas em Rolândia através deste procedimento (troca de dinheiro lá na Alemanha por trilhos da R.V.P.S.P. e que por sua vez gerava créditos para a compra de terras aqui em Rolândia) levavam uma vida abastada sim. Bom para eles. Trabalharam e juntaram dinheiro para gozar a vida a partir da 3ª idade. Todos deveriam agir igual. E para que ninguém  pense que sou contra este heróico povo digo que o pastor da minha igreja  aconselhou-me a ser amigos dos israelitas que são "a menina dos olhos de Deus". Ai de quem ferir ou perseguir o Povo Escolhido...Conforme já anotei acima a prosperidade do povo hebreu tem haver com a benção dado por Deus a Abraão e todo a sua descendencia. (Gênesis 12) Eu creio na Palavra de Deus. "Eu fui moço, hoje sou velho, mas, jamais vi um justo mendigar o pão." (Salmos 37:25) JOSÉ CARLOS FARINA

sábado, 7 de maio de 2011

JOSÉ FARINA FILHO E O NAC ( NACIONAL ) DE ROLÂNDIA

O MAIOR FANÁTICO DO NAC


Depois que o grande zaqueiro Diógenes dos anos 60 do NAC concedeu-me uma entrevista no Youtube falando entre outras coisas que meu saudoso pai, José Farina Filho, era o maior fanático do Nacional de todos os tempos é que me toquei de tudo o que ele fez pro NAC. Em uma outra entrevista no Youtube o inesquecível  Léco falou que foi o meu pai quem o buscou em Rancharia para jogar em Rolândia. Ele se deu tão bem que casou e prosperou aqui em nossa cidade. Lembrei-me também que durante a sua vida toda nunca conseguiu ficar em casa aos domingos em dias de jogos do Nacional. Ele sempre ligava para mim e meus irmãos e falava assim; -  O Zé Carlos, o que que você vai fazer depois do almoço? Você não quer ir comigo assistir o Nacional em Ponta-Grossa? Outra vez era Jarezezinho... Cianorte... Wancelaslau Braz... Maringá... Colorado... Paranavaí... Cornélio... São Carlos do Ivai.... Maringá...Londrina.... Apucarana... Arapongas... Enfim... Em todo Paraná. Uma vez respondi pra ele: - Ô Pai, Wanceslau  Braz, onde é isso? Ele respondeu: - Fica perto de Jacarezinho. Faz tempo que eu não vou lá... Eu tô com saudade de passear lá... Vamos aproveitar e passear. E tinha jeito de falar não para ele? E lá íamos...Ele...eu e meis irmãos. Era a sua principal diversão. Um amendoim e o rádinho de pilha grudado no ouvido. Na volta vinhamos ouvindo os locutores de fora comentando o jogo. Quando o Nacional vencia era só alegria, mas quando perdia ele comentava: "O juiz é caseiro, não marcou nenhuma falta a nosso favor, só pra eles". Os locutores da Rádio Tavares, Motta, Gerado Borges e o Zé de Paula sempre ficavam surpresos ao nos verem indo tão longe torcer pro NAC. Descanse em paz meu pai. Espero que aí no Céu você possa rememorar as boas jogadas dos seus amigos Niquinho, Eli, Jamil, Paulista, Perazolo, Pagão....TEXTO e FOTO de JOSÉ CARLOS FARINA

segunda-feira, 18 de abril de 2011

HOTEL ROLÂNDIA - QUASE NO CHÃO

FALTA POUCO PARA O DESMANCHE TOTAL

Passei hoje lá em frente e tirei esta foto para lembrança (para a posteridade). Fiz o que pude. Cheguei a ajuizar uma ação popular na Justiça...Consegui apenas o aproveitamento da parte frontal (esta que está ai na foto). Vamos torcer para que dê certo a sua reconstrução ali perto da Estação de Trens. Texto e fotos de JOSÉ CARLOS FARINA

sábado, 16 de abril de 2011

HOMENAGEM A CAIO KOCH-WESER

CAIO KOCH-WESER ( um rolandense muito famoso )


Nasceu em Rolândia, norte do Paraná,
Aos 17 anos pra alemanha foi estudar;
Tornou-se um homem importante,
E ao Paraná distante
Voltou somente depois de adulto.
Agora um homem culto,
De um banco, vice presidente;
Este senhor sorridente
Chega a uma feliz conclusão:
Apesar de toda a fama
Que o mundo lhe deu,
Uma lembrança lhe comoveu:
Um menino com os pés na lama
Brincando entre os cafezais,
Subindo nos laranjais,
Chupando a fruta no pé,
(que gostoso que é)
Com os passarinhos cantando,
Nos rios nadando,
A cachoeira escalando,
No cavalo galopando,
Com os caboclos conversando,
Nos bailes namorando.
A infância aproveitando,
E o tempo ai passando...
Aquele ar perfumado,
Os dias ensolarados,
A floresta exuberante,
(E muito contagiante)
O céu de nuvens efeitado,
A noite o céu estrelado...
O cheiro da terra no arado,
O barro nos pés grudado,
Pela paisagem fascinado.

Você ainda é um pé vermelho,
Do norte do Paraná.
Onde quer que vá,
Esta terra com você vai estar.
E vai dela sempre se orgulhar,
E muito muito amar.
Um abraço de um desconhecido
Que de você ouviu falar,
Mas depois deste acontecido
Vai de mim escutar
Uma grande sabedoria:
Quero que vossa senhoria
De Rolândia se orgulhe
E sempre que puder
E onde estiver
Diga: Rolândia me viu nascer
Em Rolândia me criei,
Por Rolandia me apaixonei,
E é pra valer.
Rolândia, 16/04/2011
JOSÉ CARLOS FARINA